sábado, 11 de abril de 2015

ANÚNCIO

Precisa-se de um coração,
não para transplante,
estudos anatômicos,
ilustrações.

Cardistraído e leve,
levemente ciumento,
que traga aconchego,
necessidades eróticas,
curiosidade de tudo.

Cardiminuto, míúdo,
discreto o bastante
para que caiba em mim,
embora cardimenso,
capaz de conter o mundo.

Que pulse em silêncio
e silencioso se anuncie
presença constante,
estrela no horizonte,
fazendo-me, encantado,
ex planeta errante,
rendido, entregue,
orbitando a seu lado.

Precisa-se de um coração,
não para transplante,
estudos anatômicos,
ilustrações.

Um coração com endereço,
digitais, documentos e nome,
para que cardistraído
ao meu se some.

Francisco Costa.
Rio, 11/04/2015.

HOLÍSTICO

Resto do que em mim sobrava,
reduzido a pouco, quase nada,
procuro-me, cacos dispersos,
em tudo o que fez parte de mim.

Eu fui aquela árvore solitária,
vegetal arquitetura de florações
ornamentando as manhãs baldias,
feitas de trinados e ventos, chuvas.

Aquele menino maltrapilho e pobre,
acorrentado ao que lhe falta e dói,
fui também, farejando consumos,
sonhando com sopas e ensopados.

Arrebatado em ódio e fúria, raiva,
guerrilhei seculares moinhos,
quixotescamente edificando sonhos
que amanheceram quase derrotas,
em desafios a novas escaramuças.

Fui minha jaula e minha chave,
prendendo-me em beijos e abraços,
libertando-me em adeuses tristes,
náufragos nas lágrimas, definitivos.

Garimpei sorrisos, amealhei corpos,
submetendo-me, solícito e inteiro,
à magia da posse, intermédio nu
onde se consagra a realização.

Naveguei céus e coletei estrelas,
guardando-as entre conchas e seixos,
alguns velhos poemas e pinturas,
comigo atento à linguagem das cores,
disfarces da luz enamorando-me.

Cultivei hortas e manias, vontades,
algumas abortadas, outras, realizadas,
ordenando-as ao acaso, por acaso,
em versos paridos a minha revelia,
imperiosos, exigindo a decifração
do que em mim sobrava e faz falta.

Agora sou só duas mãos que digitam
e um coração aflito que as orienta,
uma flor solitária que olhos não visitam,
quase nada que para o nada se ostenta.

Francisco Costa
Rio, 11/04/2015.