domingo, 1 de janeiro de 2017

COISA DE INÍCIO DE ANO

Todos estabelecem metas,
Impõem-se propósitos,
Prometem-se diferentes
A cada passagem de ano.

Resolvi aderir.

Não, não deixarei de fumar.
Quando se ultrapassa o sessenta
E o câncer não percebeu,
O enfarto marcou bobeira
E o ar flui normalmente,
Abrir mão de um prazer
Para atender a bem comportados
É um sacrifício desnecessário.

Também não farei concessões:
À prudência, à parcimônia, ao medo,
Exigindo-me em intensidade máxima,
Como se cada gargalhada a última,
Cada lágrima, prenúncio da próxima.

Sonhar, sim. Sonharei mais e mais,
Fazendo-me duende nas floradas,
Uma ave errante no horizonte,
Arremedo de poeta, plágio de pintor,
Deixando as minhas digitais nos dias.

E amarei, isto sim, de amor primeiro,
Sempre, porque cada amor diferente,
Com suas nuances e idiossincrasias,
Amamentando-me a vida e a poesia.

Em permanente vigília de amor,
Sempre pronto a gestos prontos,
À moda antiga, levarei ramalhetes,
Caixas de bombons, um poema novo,
Qualquer coisa que rompa resistências
E me permita realização consumada.

Impossibilitado de assalariar o mundo,
Freqüentarei os sinais de trânsito
As esquinas, todos os cantos,
Distribuindo moedas e sorrisos,
Cigarros, um conselho inútil,
Invejando os livres nas ruas,
Sem burocracias e protocolos,
Embora cultivando a fome
E colhendo preconceitos.

Maldirei as guerras,
Criticarei impiedoso
O mau político de plantão,
Denunciando ações e intenções
Porque silenciar é acumpliciar-se.

Coerente e honesto,
Não me prometerei utopias,
Irresponsabilidades a esmo.
Na verdade o que prometo
É continuar o mesmo.

Francisco Costa

Rio, 01/01/2017.

AMOR TARDIO

Senhora,
Que culpa tenho
Se a vejo menina
Em meus braços
De senil menino?

O que nos impede
Viventes em plenitude,
Em provimento da vida,
Este intervalo de prazer
No hiato do anonimato?

Porque furtar-se
Ao que flui e encharca,
Abdicando de si assustada
Em nome de tabus?

Venha, demo-nos as mãos,
Percorramos praças por aí,
Em beijos e despudor,
Livres como meninos de novo,
Redivivendo-nos debochados
Um acinte ao preconceito,
Mostrando que a idade,
Mero detalhe,
Não nos aposentou.

Francisco Costa

Rio, 01/01/2017.